Assuma o controle: 3 motivos para criar seu próprio programa de estudos.

Falta tempo para fazer um curso preparatório? Falta dinheiro? Não gostou dos cursos que fez? Então confira 3 motivos para criar seu próprio programa de estudos.

Quando o assunto é adquirir educação, a tendência mais comum em nosso meio é delegar. Educação é algo a ser fornecida, seja pelo governo ou instituição privada. Nossa visão, como brasileiros, é a da educação como algo a ser recebido. Assumir o controle não é usual.

Por mais que exija de você em organização e tempo, o controle em suas mãos significa maior liberdade e independência.

1 – Você faz o seu horário

Em tempos onde precisamente o tempo falta para boa parte das pessoas, é uma grande vantagem poder fazer o próprio horário. Dentre os 3 motivos para criar seu próprio programa de estudos, organizar o tempo é o mínimo.

Você escolhe a melhor hora, de acordo com sua realidade. Naturalmente, delegar a função para uma instituição significa sujeitar-se ao horário desta. Assumindo por outro lado o comando, você dita as regras.

Além de escolher a melhor hora, você escolhe também o local. Neste caso, a escolha de um curso a distância também atende. O curso EAD porém só oferece flexibilidade de local e horário. Em outros pontos você precisará se adaptar ao programa do curso que escolheu. Sobre EAD, saiba mais no artigo EAD – Ensino a Distância: estude melhor com organização e constância.

Crie portanto seu cronograma, distribuindo as matérias que precisa estudar ao longo da semana, como por exemplo, português na segunda, matemática na terça, informática na quarta… Pode colocar mais de uma disciplina por dia, porém recordo o conselho já passado aqui no site, pelo texto Cansado de estudar? Estude pouco, melhor e sempre: pouco estudo, todos os dias, rende mais que muito estudo em um ou poucos dias.

Indico o artigo Estude na melhor hora do dia, mesmo “sem tempo“!, onde você encontra orientações específicas e detalhadas para organizar seu horário.

2 – Escolhe o material de estudo…

Vídeos, apostilas e livros são mais abundantes para quem assume o seu cronograma de estudos, ao contrário daquele que se inscreveu em um curso, cujo material didático está já pré-selecionado (e não raro ocorre de você não se adaptar muito bem).

Escolhendo vídeo-aulas

Está é a forma mais popular de buscar aprender algo hoje, uma vez que sites de vídeo streaming abundam e há cursos disponíveis para venda on-line, oferecendo centenas de vídeo-aulas.

Neste caso, assuma o controle em primeiro lugar na distribuição do conteúdo. É tentador, sobretudo para os ansiosos, assistir em sequência a várias aulas na pretensão de acabar o quanto antes… Você pode até se justificar afirmando não ter pouco tempo. O ponto porém é o limite natural do nosso cérebro, que deve necessariamente ser respeitado, como já explicado aqui no site, no artigo …Estude pouco, melhor e sempre.

É uma “cultura da pressa” que toma conta de muitos. O leitor deve conhecer pessoas que “devoram” séries na tela do computador ou smartTV. Assina um site de vídeos, com filmes e séries em variedade e perde a noção do tempo numa maratona, assistindo a toda um temporada.

Quando sua meta e assimilar conteúdos extensos de português, matemática, leis, administração, etc., pode ter certeza de que não conseguirá fazê-lo numa “maratona” de vídeos em sequência. Simplesmente não funciona. Não somos “superman” ou “supergirl“.

Como repito sempre em todos os textos do site, estudar é produzir, é atividade. Você não é ativo diante de uma vídeo-aula. Este é o momento de receber, entender, tirar dúvidas, numa postura passiva. Resumindo, a assimilação do conteúdo você conquista quando escreve, resolve problemas, resume com suas próprias palavras. Quando exercita, trabalha sobre a matéria.

Vídeo-aulas enfim, para render, devem ser assistidas com moderação, com temperança (no artigo Virtudes: as bases que sustentam o bom estudante você pode saber mais a respeito). É preciso força, virtude para conter a ansiedade e estudar pouco, mas todo o dia.

Apostilas especializadas e livros didáticos perto de você

O meio que você precisa para estudar pode estar à disposição, na estante da sua casa, acumulando poeira. Apostilas e livros usados no colégio por você mesmo, ou um irmão mais velho; senão, pode conseguir emprestado, além de conseguir material gratuito disponível na web.

Livros didáticos servem principalmente os de exatas: matemática, raciocínio lógico, física… Português no entanto requer atenção por causa das reformas, como a Ortográfica.

Este meio exige muita leitura, naturalmente. Obter o hábito de ler ou melhor ainda, o prazer de ler, faz toda a diferença. Resumidamente, encontrar este prazer não é muito diferente do prazer de uma sessão cinema. A diferença é que as imagens e sons nos livros você imagina.

Um livro pode prender sua atenção da mesma forma que um filme ou série. Busque aqueles de seu gênero favorito e se surpreenda. Além de se divertir, você ganhará “de brinde” uma facilidade na hora de ler o material didático, além das provas. Veja mais sobre este assunto noutra publicação: Estude melhor tornando-se um leitor apaixonado!

Reitero: estudar pouco, porém sempre. Seja com vídeo-aulas, apostilas ou livros didáticos; principalmente quem recomeça após anos parado. É ilusão querer virar um grande estudioso do dia para a noite.

3 – E você escolhe o método.

O terceiro motivo é o mais importante. Além de fazer o seu horário e escolher os meios, escolher o método correto é a chave para dar certo o programa.

O método não é outro senão o proposto por este site: estude melhor sozinho. Como explicado na página Objetivo, o ponto central quando se quer estudar é fazê-lo como já foi feito com sucesso: ativo, produzindo – escrevendo – e sozinho. Trilhar um caminho já percorrido, pavimentado e seguro, sem precisar “reinventar a roda”.

Para aqueles que optarem por vídeo-aulas para entender a matéria, reitero o que indiquei: moderação. Muitas vídeo-aulas mas causam é dor de cabeça. O momento do aprendizado é com lápis ou caneta na mão, anotando, exercitando, resumindo.

Da mesma forma, se a sua preferência for ler livros ou apostilas, aprenderá efetivamente quando desenvolver um trabalho a respeito daquilo que compreendeu nas leituras. Na hora da atividade ou exercícios de fixação é que quando você assimila o conteúdo.

Em todos os casos, o bem estar emocional tem peso de ouro. O envolvimento emocional é crucial para gravar os assuntos estudados. E isso inclui não sacrificar noites de sono, pois é durante o sono que o cérebro trabalha fixando o conteúdo estudado durante o dia.

Sobretudo, o método que não posso deixar de indicar é o que prioriza o momento de estudo, diferente das propostas de cursos que valorizam horas-aula, atividades feitas diretamente no computador, avaliações virtuais… Explico detalhadamente no artigo Por que é melhor estudar sozinho? Fato é que a quase totalidade dos cursos priorizam as aulas, ou seja, dando apenas uma opção, e uma que não é suficiente para aprender.

Assuma o controle e mantenha-se firme!

É importante reforçar sempre o fato de que estudar é esforçar. Não há atalhos. “As raízes das letras são amargas, mas os frutos são doces” (Alcuíno de Iorque). É importante afastar a ilusão de aprender algo sem esforço. Assumir o controle significa tomar as rédeas, sem instituição, corpo docente ou tutores para auxiliar. É um caminho para se tornar um autodidata.

Citando Pierluigi Piazzi: “o objetivo da educação deve ser formar auto-didatas”. É uma proposta desafiadora, pois vai na contramão da tendência mais habitual, que é a de priorizar os direitos. É forte a mentalidade de ver muitos serviços como direito a receber, inclusive a educação.

É “caminhar contra a corrente”. No entanto, como mostrado em outras publicações do site, como na página Objetivo, esta corrente não anda bem das pernas: nosso país persiste na “lanterna” a cada edição do PISA, a avaliação internacional de estudantes, ou seja, nas últimas posições. Literalmente, um pelotão em marcha em direção ao abismo. Quando a maioria caminha para o buraco…

Assuma o controle e mantenha-se firme! O resultado virá com o tempo. Todos os que perseveraram colheram os frutos. Posso falar da minha experiência, tendo conquistado a aprovação em concurso público após anos fazendo meu programa de estudos, usando estes 3 motivos para criar seu próprio programa de estudos.

Assuma o controle: 3 motivos para criar seu próprio programa de estudos.
5 (100%) 1 vote