Estude melhor tornando-se um leitor apaixonado!

Tornar-se um leitor é base para ser um melhor estudante. Se você está se preparando para o Enem ou para prestar o vestibular, tornando-se um leitor você terá maior facilidade na resolução das questões, pois todas exigem leitura e interpretação dos enunciados, em qualquer matéria. Da mesma forma, se o seu objetivo é prestar concurso, ou mesmo para as provas na escola ou faculdade. Estude melhor tornando-se um leitor por hábito. Mais ainda, um leitor pelo prazer de ler.

Como? Prazer de ler?

Sei que parece estranho. E de fato é. No nosso Brasil, que não é um país com grande número de leitores… Esta é a nossa realidade, que é ruim, no entanto também esconde uma oportunidade

Uma estatística muito grave…

É urgente em nosso país aumentar o número de leitores.

Só para ter uma ideia, a Associação Internacional de Leitura Conselho Brasil Sul revelou pesquisa, no ano 2000, apontando a média de leitura dos brasileiros de apenas um livro por ano. Em 2015 o Instituto Pró-livro encomendou ao Ibope Inteligência um levantamento, registrando 4,96 livros por ano a média nossa, com a ressalva de 2,43 desde total de livros terminados e 2,53, lidos em partes (veja mais detalhes na matéria do Observatório do Terceiro Setor.

Preciso registrar, ou confessar a minha experiência, ou melhor, falta de experiência com leitura até completar 22 anos de idade. Até então a minha média não era nem de 1 livro por ano! Em 2003 foi quando despertei o interesse e li 20 volumes, passando desde então a ter uma média de pelo menos 10 livros por ano.

O dado mais triste, contudo, é com relação ao domínio da leitura: devemos levar 260 anos para alcançar os países mais desenvolvidos, segundo relatório do Banco Mundial do início do ano (2018). Anteriormente, em 2016, já havia outro dado alarmante relacionado: apenas 8% dos brasileiros maiores de idade eram capazes de se expressar por escrito, seja por palavras ou números (pesquisa baseada no Índice de Analfabetismo Funcional -Inaf).

Diante de um problema tão grave, tendemos a ficar intimidados e impotentes. Porém, olhando esta triste realidade como um desafio, é possível fazer algo. É um dado que deve servir de estímulo para tornar-se um leitor, abrindo caminho para a solução. Há um estímulo em especial para os que estão estudando para o Enem: boa parte das questões da prova tem a resposta no enunciado. Chega a ser até 2 em cada 3 questões. Ou seja, se você souber interpretar bem o texto…

O que cabe a cada um de nós é buscar adquirir esta habilidade, ou aperfeiçoá-la se for o caso. Lembrando que o ato de estudar é solitário obrigatoriamente (entenda porque nesta outra publicação – Por que é melhor estudar sozinho? Entenda a razão.)

Como descobrir o prazer de ler?

Não existe educação sem motivação e não existe melhor motivação do que o prazer. (Estimulando Inteligência, Pierluigi Piazzi)

Sei que é algo estranho para muitos alguém divertir-se sendo. Eu tive a experiência de ver reações de espanto à minha volta, quando eu estava lendo com gosto um livro em público. “Não entendo como você consegue se divertir lendo!” – ouvi certa vez.

Você pode notar o quanto é comum associar leitura com obrigação, com algo chato mas “um fardo necessário” para atingir metas como aprovação num concurso, vestibular, formar-se na faculdade, etc.

Como então descobrir o prazer de ler?

Existem formas bem simples, e deve ser simples. Se é prazer é espontâneo, naturalmente. A indicação dada pelo professor Pierluigi Piazzi, por exemplo, é você buscar uma biblioteca, lá pegando livros de acordo com sua área de interesse, com o objetivo de encontrar um que prenda a sua atenção. Você pega um livro e começa a ler. Se não prender sua atenção, passe para outro e repita o processo até achar um especial, envolvente, o “seu” livro, semelhante a quem busca um amigo, um grande amigo.

Comigo não aconteceu assim (inclusive pela dificuldade de encontrar uma biblioteca onde eu morava). Não foi numa biblioteca, porém resolvendo questões de vestibular, lendo nos enunciados destas trechos de livros de autores brasileiros. Pelo contato com trechos de livros, despertou em mim o interesse por estes. Eu ficava curioso de conhecer o texto integral.

Isto foi em 2003, como mencionei anteriormente, ano em que li 20 livros, considerando que antes disso nem 1 por ano eu lia. A quantidade de livros lidos portanto não deve impressionar, pois é preciso considerar a quantidade de páginas, a qualidade do livro e da leitura.

Velhos hábitos podem atrasar você, e é normal…

Contudo, mesmo assim, custou para mim tornar-se de fato um leitor, apesar de despertado o interesse, uma vez ainda muito habituado a assistir televisão, filmes e jogos. Quem tem esses hábitos não se dispõe facilmente a reduzir, ou menos ainda abandoná-los.

Hoje eu não tenho mais tanto o hábito de assistir televisão quanto jogar games como outrora. Mas foi um processo, e não é regra geral. Só posso afirmar, a partir de minha experiência que bastou ter contato com livros, até mesmo indiretamente, por estar interessado neles, não por obrigação.

O interesse pode surgir, dependendo é claro de qual assunto for de seu interesse. De certa forma não é muito diferente de quando você começa a assistir a um filme… Se não te interessar você pára. No entanto, acontece muitas vezes do filme prender sua atenção, tanto que você mal vê o tempo passar de tão envolvido que está na trama.

O mesmo acontece com um livro quando ele parece ter sido escrito sob medida para você, com enormes vantagens se comparado ao filme: o exercício da imaginação;  a aquisição de um vocabulário mais rico; desenvolve compreensão mais profunda e sólida dos mais diversos assuntos que giram em torno dos romances, além do ganho em melhor compreensão da sua língua.

Você ganha “de brinde” uma melhor capacidade de comunicar-se tanto verbalmente quanto graficamente (escrevendo). Ou seja, fazer redação não será mais um “bicho de sete cabeças”.

O melhor de tudo é tudo isso conquistado por você enquanto acompanha uma estória de aventura, ação, suspense ou outros gêneros, de sua preferência. Não é uma coisa maçante, forçada. Você vai “no macio”, sem trauma! E não só com livros de literatura, pois você certamente se interessa por determinados assuntos em ciências, seja ciências sociais, artes, exatas ou até política. Pode encontrar excelentes livros científicos.

Afinal, por que não ser um leitor?

Sei muito bem o quanto é custoso uma mudança de hábito. Noutra publicação, Estude no melhor horário do dia, mesmo “sem tempo”!, destaquei a disciplina necessária para fixar um horário dedicado aos estudos, um sua rotina diária. Quando você descobre o prazer de ler, fica mais fácil, todavia não o livra de fazer algum esforço por um motivo muito simples: o excesso de opções disponíveis hoje, como televisão, celular, games, redes sociais…

Uma vez associado em sua mente diversão com estas opções, e livros com obrigação, custa “mudar a chave”. Estas tecnologias propõem uma vida mais cômoda. “Relaxa! Não precisa muito trabalho! Basta alguns cliques, alguns dígitos ou toques e tudo se resolve!”

Reforço o que escrevi em Por que é melhor estudar sozinho? Entenda a razão.: É fundamental ter esta consciência: não existem atalhos para estudar corretamente. A eficiência do estudo está ligada justamente ao esforço, ao trabalho.

O que ocorre, para ficar bem claro, é o fato do prazer estar sobretudo no assunto da leitura e não na leitura em si. É o quanto o assunto o atrai, convencendo-o  a dispor de tempo e esforço para ler inúmeras páginas para saber mais a respeito. É fato também que muitos leitores deixaram de sê-lo por diversas razões, inclusive pela comodidade trazida pelos meios eletrônicos.

Estude melhor tornando-se um leitor, pois você só tem a ganhar!

Enfim, proponho ao leitor deste texto, que não é ainda um leitor habitual e vê os livros como “chatos mas necessários”, colocar na balança as vantagens de permanecer como está num lado e no outro os benefícios da mudança. Veja a triste realidade demostrada no relatório do Banco Mundial – que deve nos desafiar, não desanimar – no sentido de superar em mim e em você este mal, ao invés de esperar uma solução pronta que pode não chegar (ou você vai esperar 260 anos?); pese no lado da mudança os benefícios da leitura habitual e prazerosa em termos de habilidades fundamentais para fazer uma boa prova, incluindo as temidas redações. Pese e veja se, afinal, por que não ser um leitor?

 

Estude melhor tornando-se um leitor apaixonado!
5 (100%) 1 vote