Estude para aprender e você vai se surpreender!

Estude para aprender e você vai se surpreender com os resultados!

Você estuda para passar nas provas?

Parece pergunta idiota para você?

Por mais óbvio que pareça, o motivo que o leva a estudar é crucial. E além da motivação, o interesse e o uso da imaginação. Tudo isso no entanto não o fará aprender se for voltado apenas para passar nas provas.

Estudar para a prova é uma perda de tempo e desperdício de energia!

Sem exagero, este simples hábito ou costume atrasa nossa vida. E é fácil comprovar isso. Basta você tentar resolver um problema de matemática lá da 6ª série, por exemplo. Quem tem o Superior completo, se pegar uma prova lá do primeiro ano do Ensino Médio, será que vai conseguir resolver?

O problema do sistema é esta cobrança equivocada feita pelos pais. Cobram notas, boletins, diplomas e não cobram aprendizado. (Estimulando Inteligência, Pierluigi Piazzi)

Estudar para a prova é regra geral. E aí é que mora o perigo. Como é comum, algo que “todo mundo” faz, acabamos entendo como “normal”. Ocorre aí uma confusão de termos: confundir qualidade com quantidade. Se a maioria faz assim… Afinal, se “geral” faz, deve ser bom não é?

O que é um equívoco cultural? É um equívoco cometido de um modo tão rotineiro, e tão disseminado, que faz com que simplesmente não seja reconhecido como tal. (Idem, Pierluigi Piazzi)

Há muitos hábitos ruins. No entanto, são praticados por um enorme contingente de pessoas. Os “clássicos” são bebedeira e uso de entorpecentes. Existe quantidade, não qualidade. Apesar dos males provocados, continua sendo prática comum e até exaltada por muitos.

Estudar para a prova é uma perda de tempo: perda da oportunidade de aprender para valer, podendo usar o conhecimento no futuro. Desperdício de energia pois o esforço na “decoreba” dá resultado de curta duração. Após a prova você esquece, inclusive porque no mais das vezes não lhe interessa saber aquele conteúdo. Você teve de “engolir” para conseguir nota. Depois dá aquele alívio – “Me livrei de mais uma! Estou livre!”

E como estudar para aprender?

Direto ao ponto, inverta a ordem: estude o mais próximo da aula, não da prova!

Essa “tática” complementa a demonstrada em Cansado de estudar? Estude pouco, melhor e sempre!

Você teve aula hoje? Então estude hoje. Simples assim. Lembrando sempre: estudar é solitário e ativo. Durante a aula você entendeu a matéria, como aluno, passivo, escutando a explicação do professor, absorvendo o conteúdo; ou mesmo lendo se for o caso. Porém o aprendizado é quando você está só e escrevendo, produzindo como estudante. É diferença entre aluno e estudante, demonstrada também no artigo Por que é melhor estudar sozinho? Entenda a razão.

São os três passos para aprender, que devem ser feitos a cada dia de aula: entender, aprender e fixar. Entender durante a aula (ou leitura), aprender com os exercícios (lição de casa) e fixar com uma boa noite de sono. É o chamado ciclo circadiano (curva de tempo de um dia ou 24 horas). Desta forma, nas proximidades da prova, bastará uma revisão. Com o resumo da matéria dada a cada dia, fazer a revisão antes da prova.

Portanto, inverta a ordem. Você terá a vantagem de evitar correrias às vésperas de prova, pois aproveitou bem o tempo desde a primeira aula. E poupará tempo nas futuras provas, uma vez que fixou bem aquele conteúdo (economiza energia). Com já explicado também no artigo Cansado de estudar? Estude pouco, melhor e sempre!, a quantidade de conteúdo que o cérebro consegue assimilar por dia é limitado. Não faz milagres.

Estude para aprender e você vai se surpreender, pois não vai esquecer!

Aprender significa adquirir um conhecimento que a pessoa carrega para o resto da vida. (Idem, Pierluigi Piazzi)

Além da preocupação com exames, é preciso levar em conta o aprendizado que serve no dia a dia, como nas finanças pessoais, cálculos na hora das compras. Na matemática você pode aprender “macetes”, por exemplo: na divisão de um valor por 5, basta dobrar o valor e voltar uma casa decimal – 28 / 5 = 28 * 2 = 56 – 5,6. Lembrando que calculadoras estão fora de questão na hora da prova.

É importante distinguir também a diferença entre escrever e digitar, explicada neste artigo: Estudar escrevendo ou digitando? Saiba qual é a melhor forma. Da mesma forma que calculadoras, notebooks também estão fora de questão na hora da prova.

Existem é claro os conteúdos obrigatórios para exames, porém inúteis posteriormente de acordo com a carreira escolhida. Contudo, via de regra, justamente o conteúdo menos interessante será melhor assimilado “a conta gotas”, estudando aos poucos, próximo de cada aula, ao invés de estudar desesperado no dia da prova. Neste caso, somente criando o hábito, como coloco no artigo …Estude pouco, melhor e sempre!

Comparando duas experiências

Antes mesmo de ter esta noção, recordo que quando eu fazia muitos exercícios, ao menos uma semana antes da prova, o resultado era melhor. E era melhor não só para a prova seguinte, como também as posteriores, pois eu não esquecia. Por outro lado, quando decorava em cima da hora, além de arrumar uma baita dor de cabeça, mais tarde tinha de repetir a dose pois havia apagado tudo da memória.

Os alunos que tiravam boas notas na base da decoreba pareciam superdotados e eram admirados. Muitos se gabavam de ter estudado quando a caminho do colégio no dia da prova. Na hora parece ser uma grande vantagem. É vantagem ilusória, com prazo de validade muito curto. Acaba sendo um “atraso no futuro”.

Interesse sincero e imaginação para fixação

Retomando os três pontos colocados no início, até aqui apontei a importância da motivação. Esta motivação não deve ser apenas para passar nas provas, estudando o mais próximo da mesma. Deve ser, por outro lado, para aprender o assunto da aula dada em cada dia.

O que move boa parte das pessoas a estudar um assunto porém não é o próprio assunto. Cada um de nós pode se perguntar aonde quer chegar. Será só a aprovação no vestibular? Obter diploma? Conquistar uma vaga num concurso público?

Se você encontrar alguém lendo um livro de física por exemplo, simplesmente por estar interessado em aprender o assunto, deverá achar muito estranho, não é? Isso não é muito comum. Porém, é justamente este interesse sincero que tiveram os gênios da física, por exemplo.

E na falta de interesse?

Naturalmente, o interesse varia em cada um e fica a questão: e como lidar com os assuntos que não tenho interesse? Como coloquei antes, aquelas matérias obrigatórias que caem na prova…

Reforço que é preciso criar um hábito. Estude pouco, melhor e sempre. Principalmente para estas matérias que não são de seu interesse. Acontece muitas vezes de surgir o interesse com o tempo, a medida em que você conhece melhor e vai entendendo melhor, aos poucos.

Finalmente, trabalhar a imaginação. E imaginação se desenvolve com o hábito de ler. Transformando a leitura em lazer, este trabalho fica suave. Prazer adquirido com a leitura espontânea, de conteúdo de seu interesse – futebol por exemplo. Como você pode ver no texto Estude melhor tornando-se um leitor apaixonado!, a leitura serve de base para interpretar bem as explicações das matérias e enunciados das provas.

Na hora do estudo, usar de imaginação garante a fixação posterior. O assunto do estudo pode não ser do seu interesse, no entanto, quando a leitura faz parte dos seus momentos de lazer, será natural imaginar situações reais relacionadas ao assunto, fazendo associações… Imaginando e registrando no caderno, fazendo anotações ou desenhos, você “tempera” o conteúdo amargo, tornando-o mais palatável.

Figuras de linguagem por exemplo como o pleonasmo, você pode relacionar com um amigo de repente que tem a mania de falar “Vamos começar do começo”; um artigo do código penal, relaciona com um caso bem conhecido…

Enfim, estude para aprender e você vai se surpreender. É exigente. “As raízes são amargas, porém os frutos são doces” – disse Alcuíno de Iorque. Os resultados porém dão a você aquela ótima sensação de vitória após uma longa luta.

“De fato, qualquer coisa está disposta otimamente quando está convenientemente ordenada ao seu fim.” (Sto Tomás de Aquino – Summa contra Gentiles)

Estude para aprender e você vai se surpreender!
5 (100%) 1 vote